segunda-feira, maio 10, 2021
Início DESTAQUES Histórias do Mundial de 1981

Histórias do Mundial de 1981

       A maior partida da história do Flamengo. O jogo da vida de todos os rubro-negros. Este foi o Flamengo x Liverpool de 13 de dezembro de 1981.
Foi em 1978 que o Flamengo de Zico, Júnior, Leandro e outros venceu o Campeonato Carioca e iniciou a série de conquistas que incluiu depois os dois Estaduais seguintes, o Brasileiro de 1980 e a Libertadores de 1981.  ano que a equipe inglesa venceu a Liga dos Campeões da UEFA, dando início a uma seqüência de conquistas de dois campeonatos ingleses (1979/1980) e o título europeu de 1981. Enquanto isso, o Flamengo havia ganho o tricampeonato carioca (1978/1979/1979 especial), o Campeonato Brasileiro de 1980 e o Campeonato Carioca 1981, além do título continental deste mesmo ano.
     O time inglês superara Bayern de Munique e Real Madrid nas duas últimas fases – semifinais e final, respectivamente – da Copa dos Campeões da UEFA. Mas os 62.000 torcedores que compareceram ao Estádio Nacional de Tóquio não viram um show dos vermelhos, mas sim, do vermelho e preto, que trajava sua camisa branca na decisão. Viram um show de Zico, inspiradíssimo. Um show que garantiu o título para o Fla ainda no primeiro tempo, com um indiscutível 3×0, para acabar com as dúvidas de quem era o melhor. Não apenas naquela partida, mas o melhor do Mundo. E era o Flamengo.
image
Assista abaixo ao depoimento de Júnior sobre a trajetória vitoriosa daquela equipe, imagens das campanhas e os gols da vitória sobre o Liverpool:

O jogo
  Logo aos 13 minutos de jogo, Zico lançou Nunes, que viu a saída do goleiro Grobbelaar e, ainda fora da grande área, o encobriu para abrir o placar. O “Artilheiro das Decisões” saiu para comemorar antes mesmo de a bola entrar. O show rubro-negro estava apenas começando.
Além de enfrentarem todo o time rubro-negro motivado, os ingleses tinham pela frente um Zico inspirado. Aos 34 minutos, McDermott derrubou Tita na entrada da área e o craque se encarregou da cobrança da falta. Veio a bomba, que Grobbelaar apenas rebateu. Na sobra, Lico bateu e o zagueiro Thompson cortou – mas não impediu o gol do oportunista Adílio, que estufou a rede e colocou o 2 a 0 no placar.
O Liverpool sentiu o golpe. E viu o jogo estava definitivamente perdido ainda aos 41 minutos do primeiro tempo. Zico, que acabou eleito o melhor jogador da partida, protagonizou lance parecido com o do primeiro gol: lançou novamente o centroavante Nunes, que avançou e bateu na saída do goleiro. Antes mesmo do intervalo, o 3×0 antecipava que a taça  tinha destino certo: o Rio de Janeiro.

O segundo tempo serviu apenas para os torcedores rubro-negros em todo o Mundo se prepararem para a festa que se seguiria ao apito final. Os craques do Flamengo tocavam a bola de pé em pé, envolvendo os adversários e esperando o tempo passar.

Final de jogo e festa no Brasil: o clube mais popular do país conquistava o Mundo. Foi o dia em que frases como “Eu teria um desgosto profundo se faltasse o Flamengo no mundo” e “Quero cantar ao mundo inteiro a alegria de ser rubro-negro” fizeram ainda mais sentido para os torcedores do clube.


Ficha técnica

Flamengo 3×0 Liverpool
Data: 13 de Dezembro de 1981
Local: Estádio Nacional – Tóquio – Japão
Público: 62.000 pessoas

Árbitro: Rúbio Vazques – México

Gols: Nunes 13′, Adílio 34′ e Nunes 41′ do 1° tempo.
Flamengo: Raul, Leandro, Marinho, Mozer e Júnior; Andrade Adílio e Zico; Tita, Nunes e Lico. Técnico: Paulo César Carpegiani.
Liverpool: Grobbelaar; Neal, R. Kennedy, Lawnson e Thompson; Hansen, Dalglish e Lee; Johnstone, Souness e McDermott (Johnson). Técnico: Bob Paisley.Curiosidades
__________________________________________________________________________________

Fuso horário
Uma semana antes da decisão, o Flamengo passou uma semana em Los Angeles, Estados Unidos, para melhor se adaptar ao fuso horário japonês.
Disney
No período de adaptação ao fuso-horário, nos Estados Unidos, os jogadores do Flamengo foram liberados para irem até a Disney conhecer os parques e os personagens de desenhos animados.
Lua de mel
O único jogador da delegação do Flamengo a não ficar junto com o time no período de adaptação, nos Estados Unidos, foi Adílio. Como tinha se casado há poucos dias, o camisa 8 curtiu sua lua de mel e, no dia do embarque para o Japão, se encontrou com o restante do elenco no aeroporto de Los Angeles. Ele e Zico foram os únicos que viajaram com as esposas para o Mundial.
Caminho difícil
Diferente de hoje em dia, o título era disputado diretamente entre o campeão da América do Sul e da Europa. Para chegar lá, o Liverpool superou o Real Madrid na final e o Bayern de Munique, nas semis.
Goleada
A vitória do Flamengo diante do Liverpool é o maior placar de uma final de Mundial Interclubes desde que os times passaram a jogar em campo neutro (pós 1979). Inter de Milão, em 2010, Estrela Vermelha, em 1991, e Milan, em 1990, também venceram seus jogos por 3 a 0. No entanto, nenhum deles ‘matou’ o adversário no primeiro tempo como o Flamengo de 1981.
O craque
Zico foi o primeiro brasileiro a levar o prêmio de melhor jogador do Mundial Interclubes. A eleição passou a ser feita em 1980.
Risadas
Apesar de muito disse me disse, os jogadores do Flamengo esclarecem que entenderam, e bem, as risadas dos adversários do Liverpool, tanto na hora em que chegaram ao estádio quanto no momento de entrar em campo. De acordo com eles, os ingleses apenas estranharam a tranquilidade rubro-negra e a corrente feita antes de pisar no gramado. Nada demais, mas o suficiente para entrar no hall dos mitos do futebol.
Convidado especial
O atacante Anselmo, que foi expulso no último jogo da Libertadores ao entrar em campo e dar um soco em Mario Soto, foi ao Japão como convidado mais que especial da delegação rubro-negra. E não foi por nenhum motivo técnico. O cartão vermelho recebido diante do Cobreloa impedia o jogador de estar presente na decisão do Mundial.
Hino do título
Acostumados a fazerem suas batucadas antes e depois das conquistas, os jogadores do Flamengo saíram do estádio, com as taças do Mundial, cantando o samba da Portela de 1981: “Das maravilhas do mar, fez-se o esplendor de uma noite”. Junior comandava o ‘bloco’ com o pandeiro, seguido de Zico com o tamborim e Adílio com o chocalho.

Most Popular

Recent Comments